Homens se reúnem para discutir danosos padrões de masculinidade.

Homens se reúnem para discutir danosos padrões de masculinidade.

Educação e Humanismo Humanismo Notícias Saúde e Humanismo

Homens se reúnem para discutir danosos padrões de masculinidade: Cursos para desconstruir modelos tradicionais do que é ser homem têm alta procura.

RIO- Era final de tarde na última quarta-feira (23).

Quando cerca de 30 homens se reuniram no salão principal da Casa Naara, centro do Rio, para o terceiro dia do 2º minicurso “Entendendo as masculinidades”.

Organizado pelo professor de geografia Caio César Santos, de 24 anos, tem como objetivo repensar e transformar os conceitos de masculinidade dos participantes.

Se no dia a dia aqueles homens raramente lidavam com essa discussão, lá ela era incontornável: de experiências traumáticas na infância a frustrações e decepções na vida adulta, nada deve ser tabu.

Os homens precisam começar a falar.

Sobre comportamentos tóxicos associados à masculinidade, e como podemos mudá-los. Tanto internamente como no mundo. Por isso, precisamos nos sentir à vontade para lidar com nossos sentimentos e emoções.

Só assim podemos sair das nossas zonas de conforto e criar redes de apoio — afirma Caio, que destaca a importância de tirar o fardo dessa desconstrução das mulheres.

Para isso, ao longo das quatro aulas que ministrou, Caio apostou na interação entre os homens.

Os presentes eram constantemente instados a desenvolver.

Laços entre si por meio de exercícios variados e aaquele dia, todos deveriam formar pares para contar uma frustração pessoal, associada à sua masculinidade, enquanto o outro ouvia atentamente.

Depois, o inverso.

O objetivo? Treinar a escuta, tão ignorada entre os homens, acostumados a terem a última palavra e a interromper os interlocutores, em especial as mulheres.

Ao fim do curso, a ideia é de que aqueles grupos se mantivessem como um espaço para compartilhamento de experiências futuras.

Curso aborda questões relativas a masculinidade, machismo e o papel do homem contemporâneo perante à sociedade Foto Reprodução: Professor Caio César.
Curso aborda questões relativas a masculinidade, machismo e o papel do homem contemporâneo perante à sociedade Foto Reprodução: Professor Caio César.

 

Um dos motivos que me trouxeram aqui.

Foi encontrar um círculo de amizades que seja menos tóxico do que os meus atuais. Pela primeira vez pude compartilhar experiências difíceis da minha vida sem medo de sofrer com piadinhas ou deboche — conta Fred Soares, publicitário de 25 anos.

Ele, que perdeu o pai cedo, nunca se sentia à vontade para falar sobre esse episódio com seu grupo mais próximo. — Eu já tinha entrado em contato com as ideias discutidas aqui, mas é outra coisa poder trazer isso para o plano prático.

E fico feliz de ver que tem gente cada vez mais nova se preocupando com isso.

Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Foto: Guito Moreto / Agência O Globo

Para Caio, o cuidado com a educação dos pequenos é essencial.

Dou aula de geografia para adolescentes.

E é impressionante como eles reproduzem preconceitos como machismo, racismo e homofobia. Ao mesmo tempo, também são extremamente receptivos a provocações, discussões e informações para repensar seu comportamento.

Hoje, o feminismo é uma pauta nacional, mas é preciso que os meninos entendam a importância de trabalharem suas masculinidades para que não sejam tóxicas — explica o professor.

Ao final do dia, os alunos participaram de outra atividade.

Dessa vez, deveriam escrever um segredo em um papel, que seria lido na última aula por um colega. Ninguém seria identificado.

Esse era o momento de maior aproximação e libertação das angústias que os cercavam como homens.

Dali para frente, era preciso que continuassem se abrindo e caminhando para deixarem para trás os comportamentos destrutivos tantas vezes silenciados pela masculinidade hegemônica.

Cabe a nós nos responsabilizarmos pela criação de uma sociedade.

Que preze pela justiça social, pela liberdade, pela empatia, e que respeite as diferentes masculinidades saudáveis em todas as suas formas de expressão — diz o aluno Ludson Ázara, doutorando em Zoologia pela UFRJ.

Para o mineiro de 28 anos, o curso, que acabou na quinta-feira, serviu para quebrar preconceitos e falar abertamente sobre suas emoções. —A masculinidade tóxica cria homens inseguros, depressivos e violentos.

Fonte: O Globo – Sociedade.

Fale Conosco

– Quer indicar uma Matéria ou econtrou um erro, por favor, entre em contato conosco, clicando aqui.

Você gostaria de ter um site como este⁉️

– Por favor, entre em contato com a Agência que nos doou este site, clicando aqui.

Gratidão !

Please wait...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *